Home / Igreja no Mundo / Bispo do México: Deus recompensará a bondade de quem ajuda os migrantes

Bispo do México: Deus recompensará a bondade de quem ajuda os migrantes

Dom Jaime Calderón Calderón, Bispo de Tapachula, cidade localizada na fronteira do México com a Guatemala, agradeceu a generosidade dos leigos e sacerdotes que ajudam os migrantes e assegurou que “Deus sempre recompensará essa bondade”.

Em um diálogo o Grupo ACI em Roma (Itália), durante o Sínodo dos jovens, Dom Calderón assinalou: “Agradeço infinitamente os meus irmãos sacerdotes e todas as pessoas de nossas paróquias que tiraram o pão da sua boca para oferecê-lo aos outros. Saibam que Deus sempre recompensará a bondade que vocês manifestaram”.

No que ficou conhecido como “Caravana de migrantes”, milhares de pessoas chegaram ao México depois de saírem de San Pedro Sula, em Honduras, no dia 13 de outubro. O objetivo final do grupo é chegar aos Estados Unidos.

A Diocese de Tapachula, devido à sua situação de fronteira, geralmente é a primeira a acolher os migrantes da América Central que buscam cruzar o México.

O Bispo de Tapachula assinalou que, “há alguns dias, percebemos a situação que os nossos irmãos hondurenhos estavam vivendo”.

“Eu me refiro especialmente à caravana que foi tomando forma e vai aumentando as filas à medida que cresce”, disse e também explicou que Tapachula “é a porta de entrada da fronteira no sul do nosso país”.

Indicou que a situação obrigou a Igreja a se organizar “para poder acolher e atender todas aquelas pessoas”, dispostas “a deixar sua própria terra”.

“Isso trouxe um grande desafio para nós, de poder ajudar e acompanhar”.

“É claro que eu, diante de Deus, diante do nosso Deus, me perguntei como poder acompanhá-los e encontrei uma resposta profunda nos meus próprios sacerdotes e na grande maioria das pessoas da nossa diocese”.

O Prelado disse que estas situações críticas, que “nos incitam a fazer uma caridade com mais dedicação, também exige o melhor que as pessoas podem dar. Surge o desejo de ajudar, compartilhar, acompanhar, de levar a eles daquilo que se tem para viver”.

“Que Deus cuide de nós, que Deus nos acompanhe, que Deus nos sustente. E sempre devemos estender a mão aos migrantes”, expressou.

Dom Calderón assinalou que as motivações que levaram os migrantes a abandonar as suas terras “são situações que pouco a pouco chegaram ao ponto de transbordar os próprios esforços que alguns países têm feito. Um ambiente de pobreza, um ambiente de injustiça, um ambiente de violência não é um bom lugar para que a pessoa se desenvolva”.

“Agora que esta situação piorou, surgem estes fenômenos muito globalizados aos quais devemos estender a mão”, assinalou.

O bispo mexicano pediu para que o amor à Virgem de Guadalupe motive a acolher “estes irmãos que precisam. Ela é a nossa mãe e a Mãe de todos”.

Fonte: ACI DIGITAL

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *