Home / Coisas de Santos / Beato Josaphat Chichkov

Beato Josaphat Chichkov

josaphatO Padre Josafhat Chichkov afirmava: “Procuremos fazer da melhor maneira que nos for possível, tudo aquilo que as pessoas esperam de nós, para podermos santificar-nos a nós mesmos”. Depois, acrescentava: “A coisa principal é chegar a Deus, vivendo para Ele; o resto é acessório”. 

Rober Matej Chichkov nasceu 09 de fevereiro de 1884 em Plovdiv, em uma família católica  e muito zelosa. Com a idade de nove anos, em setembro de 1893, Rober Matej entra na escola em Kara-Agach, não muito longe de Odrin.  No dia 29 de abril de1900, com apenas 16 anos, tornar-se aspirante na Congregação dos Assuncionistas de Fanarachi na Turquia, recebe o nome de Josaphat, com o qual será conhecido a partir de então.

Em 1904, ele fica na cidade de Luven a fim de continuar seus estudos em filosofia e teologia e ali,  em 11 de Julho 1909, é ordenado sacerdote de rito latino. De 1914 até 1919, durante a Primeira Guerra Mundial, ele foi professor no internato de Santo Agostinho em Plovdiv. Em julho de 1929, foi nomeado diretor do seminário menor “Santos Cirilo e Metódio”, na cidade de Yambol, que  era frequentado por estudantes de ambos os ritos, Oriental e Latino.

Aberto às novas tecnologias, é o primeiro de Yambol que possui e usa uma máquina de escrever com caracteres cirílicos, coloca filmes na formação dos estudantes e organiza noites de lazer para os jovens, que, pela primeira vez, graças a ele, podem escutar música por um gramofone.

Em 1937, foi nomeado Provincial Superior de Varna, onde permaneceu até o fim da Segunda Guerra Mundial. Em 1948, quando os padres estrangeiros foram forçados a deixar a Bulgária, Padre Josaphat foi nomeado pároco em Varna, onde ele foi preso pela milícia em dezembro de 1951. Durante quase um ano inteiro os Assuncionistas não têm notícias sobre o destino de seu irmão, até o dia em que foi publicado no jornal o ato de denúncia contra 40 pessoas. Todos foram acusados ​​de espionagem e conspiração contra o “poder do povo”. Entre eles figura também o nome do Padre Josaphat Chichkov, que foi denunciado como “um dos espiões mais velhos”.

Juntamente com outros dois sacerdotes,   Kamen Vitchev, Pavel Djidjov , foi emitida a sentença de morte em outubro de 1952 e todos foram baleados na noite entre 11 e 12 de Novembro de 1952, em Sofia, em conjunto com o Beato Bispo Eugenio Bossilkov. Até o momento não se sabe em que lugar no cemitério de Sofia eles podem ter sido enterrados.

Com seu talento de educador e formador, Padre Josaphat  despertou muitas vocações e conseguiu formar muitos padres e monges. Sua fé e sua tenacidade contra a perseguição policial são unanimemente reconhecidas por seus alunos e estudantes (católicos, ortodoxos, armênios, judeus, muçulmanos), por seus paroquianos, pelas irmãs que o ajudaram, por seus amigos na prisão, e ajudaram a todos aqueles que sofreram as consequências da “instauração da cortina de ferro” e da luta sem piedade contra a Igreja.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *