Home / Igreja no Mundo / 02 de Julho: Dia do Papa – Óbolo de São Pedro

02 de Julho: Dia do Papa – Óbolo de São Pedro

obolo-de-sao-pedro_site_arquiO Óbolo de São Pedro é a ajuda econômica que os fiéis oferecem diretamente ao Santo Padre, para as múltiplas necessidades da Igreja universal e para as obras de caridade em favor dos mais frágeis. Nasce com o próprio cristianismo a prática de apoiar materialmente aqueles que têm a missão de anunciar o Evangelho e de cuidar dos mais necessitados.

No final do século VIII, os anglo-saxões decidiram enviar de maneira estável uma contribuição anual ao Santo Padre, o “Denarius Sacnti Petri”.

Papa Pio IX abençoou o Óbolo de São Pedro com a Encíclica Saepe venerabilis, de 5 de agosto de 1871. Esta coleta, tradicionalmente tem lugar em todo o mundo católico no dia 29 de junho ou no Domingo mais próximo da Solenidade dos Santos Apóstolos Pedro e Paulo.

A partir de 2016, a Santa Sé decidiu tornar o óbolo de São Pedro mais acessível, renovando o site a abrindo perfis nas redes sociais, com o objetivo de estabelecer um diálogo com os fiéis de todo o mundo.

A tradicional coleta será feito em todas as igrejas no mundo na Solenidade dos Santos Apóstolos Pedro e Paulo.

Desde 2017, o óbolo tornou-se 2.0 graças ao novo site www.obolosanpietro.va (em espanhol, inglês e italiano) e dos perfis no Facebook, Twitter e Instagram.

Numerosos fiéis, depois do lançamento do site e das páginas nas redes sociais, deram  diretamente  online – por meio da página dedicada ‘Dona’ (“doa”) – o seu aporte concreto às obras de misericórdia, de caridade cristã, de paz e da ajuda à Santa Sé.

Doar ao Óbolo de São Pedro é como quando um fiel dá uma oferta ao próprio pároco e diz a ele: “Use-a para o bem da comunidade”. Ou seja, é um sinal de solidariedade, o mesmo que faz o Papa pelo bem da Igreja universal.

Os doadores 2.0 do Óbolo de São Pedro – que podem doar também por telefone ou enviando a sua oferta diretamente ao Santo Padre, ou, graças ao novo site, fazer uma doação online por meio de uma transferência bancária ou cartão de crédito – provém de todo o planeta, com uma cota significativa de fiéis italianos, estadunidenses e alemães.

De fato, 28% dos doadores reside na Itália, 25% nos Estados Unidos e 22% na Alemanha. Mais baixo, por outro lado, o percentual de doações online que chegam do Brasil, França, Espanha e do restante da América Latina (cerca de 15%). Uma cota menor cobre o restante da Europa e algumas regiões da África, Ásia e Oceania.

O olhar dos que fazem doações em favor do Óbolo de São Pedro é voltado, principalmente, às vítimas da indiferença global: os pobres, os sem-teto, quem foge dos conflitos, da carestia e da indigência.

Alguns fiéis, por exemplo, pedem que sejam assistidas as crianças sírias em Aleppo ou os refugiados que fogem da guerra civil na Somália, desencadeada em 1991 e até agora em andamento. Outros enfatizam a necessidade de realizar obras de misericórdia como hospitais ou escolas na Terra Santa.

O doador do Óbolo é um cidadão global e isto significa que a solidariedade não conhece fronteiras. Todos os fiéis são convidados a descobrirem as atividades do Óbolo de São Pedro e a refletir sobre as mensagens do Santo Padre visitando o site e os perfis nas redes sociais.

Nós fiéis devemos tomar como exemplo a viúva do Evangelho (Lucas 21,2-4) que, mesmo sendo pobre, deu as suas duas moedas, ao contrário de alguns ricos, que deram o seu supérfluo. Assim, acrescento, um fiel deve imitar esta viúva no sentir o desejo de querer contribuir à missão do Papa, ou seja, ao seu desejo de ir ao encontro dos mais necessitados. Um verdadeiro cristão não pode viver somente de oração, mas deve empenhar-se em realizar atos de caridade e de generosidade”.

 

Sobre as Obras de Misericórdia do Óbolo de São Pedro

Nas Filipinas devastadas pelo tufão; em Bangui, ao lado dos médicos do único Hospital Pediátrico da República Centro-Africana; na Ucrânia, para ajudar a população atingida pela guerra civil e ainda em Nyamirambo, na periferia de Kigali, em Ruanda, para garantir a educação à crianças pobres e vulneráveis.

Em todas as partes do mundo, há séculos, o óbolo de São Pedro contribui para a realização de pequenas e grandes obras de misericórdia em favor dos mais necessitados.

Um mapa da caridade que abraça diversos projetos como a realização de uma nova escola primária na Índia ou como o financiamento para sustentar a escola da paróquia da Imaculada Conceição, em Al Huston, estrutura que acolhe refugiados do conflito sírio.

Na Etiópia, na Diocese de Embeder, Harar e Mek, a Santa Sé financiou um projeto de ajudas para a emergência humanitária que atingiu uma vasta área do Chifre da África após uma seca.

Em Bangladesh, pelo contrário, em Dinajpur, a 400 km a nordeste da capital Dacca, em uma região onde nestes últimos anos registraram-se numerosos episódios de violência por parte de fundamentalistas islâmicos em relação ás minorias étnicas e religiosas, a Santa Sé manifestou concretamente a própria proximidade à população, financiando um projeto para a reconstrução das moradias de 55 famílias de diferentes religiões, vítimas de atentados terroristas.

No Jubileu da Misericórdia, o Óbolo de São Pedro quis acrescentar sua contribuição aos financiamentos já recolhidos pela Diocese de Maroto e destinados à construção de uma nova Catedral na região de karamoja, no nordeste de Uganda.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *